ALGARAVÁRIA
Home|Algarapostal|Cronópios|Orkut

domingo, abril 02, 2006
ALGARAVÁRIA?


Falar sobre o projeto, os membros, o nome, a intenção, o pé no chão, a sola, a contemporaneidade, a vanguarda, tradição, cummingpoundismos concretíveis, riscos em Leminsk Stravinsk Serra na borda da língua, beira da beirada Rosa-de-ninguém, die niemandsroset cetera, etílico a bomba estilistica a poesia não pode explode.


A falha do som, da cor cacofônica, polifônica, desgrafada. Ide aborrecer a outro, Milton, Diabo John, epopéticos ou péicos, preferivelmente, ide abolir a morte da morte da morte de tudo que já se foi morte, já se morre quase por pouco por nada. Por vários heterônimos, ortônimos, antônimos, anônimos, gerônimos.


Nadas: das maravilhas do mundo uma delas se perdeu, pelo menos. Pelo menos uma se perdeu. Uma, pelo menos, se. E outras mil possibilidades espelham para cada intenção. O princípio paraíso, a língua antes do desígnio, a primeira palavra, o balbucio a que se prestam. Dizer a primeira palavra e preencher o silêncio a seguir, à espera do rompimento. Perceber, na dúvida, em dúvida, a dúvida de cada palavra sobre a próxima palavra, sob a próxima palavra, a dúvida da linguagem, da vida, da linguávidavida.


Nadas: os musistas inspirados, os parnasos acatados na fôrma, os ataques rebeldes à brancura branda da página em branco, esta écume, vierge vers. Diálogo atrás para frente, de frente para baixo, todos os lados, uma esfera, que é sempre presente. Vácuo negativo, antinatural, abstração como antítese, por ela, nela.


Sem menos um, diria desconsiderando todas as permeabilidades líricas, e habilidades de quinta, das categorias, teorias, tematizações de temas, retemas, rema rema remador, anátemas retidos, tecidos tidos til. Mas resume-se em catar feijão: o erro à toa, sem força sem guia; atenção a toda: prima importância. Sutil se gerúndio sido, ligação onde não ser aparecida.


Com certeza não, vazio não, senão leer, empty vacío vide vazio. A página em branco, aqui outro se a falo de novo, a página em branco outra, renova. Desdosdados, desdhá muito: experiência, fratura, fissura, sinonimia, neologia, animia, disritmia: a maria poesia, a vazia poesia, haveria poesia. Sem instituição, isso é isso, isso é a pen isso is so pen as is a bell.


Gritaria variada, desvairada poética possível, arqui-ética, antepós antepôs prépós póspós propôs: póscontemporânea impossível pois ainda; pluricontemporânea, acontemporânea, incontemp. Viver o próprio tempo, a priori, enquanto é tempo; saber ser sendo. Deslocar.


Pós a nós: das pessoas existindo, algumas poucas têm conosco, são-nos uns, todavia, todesfuge. Em cada canto um canto há, vida, poesia. De um súbito convocamos, por fim, com vocábulos, partículas, retalhos, vossa senhoria, vosso desgosto que esboroa, vos convosco, os as lhes, me mim comigo.


Sem voz: toda sombra que se plena, toda água que se verte, toda pedra que se pedra.

[Algaravária segundo Thiago Ponce]

algaravária
(7) no algaravial

 

 

Arquivos
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006

 

 

Powered by Blogger

Template by Ernesto Diniz



 

eXTReMe Tracker